Vincular-se à rotina sem estar condenado a ela

Difícil acreditar que já estamos na semana do Natal (há quem não goste, só deixem em paz o pisca-pisca). E esse clima de final de ano é bem propício para fazermos aquela reflexão sobre os nossos resultados, para colocarmos na balança os pontos positivos e negativos do estilo de vida que estamos adotando, para revisarmos a lista de metas que estabelecemos para alcançarmos ao longo do ano. E, durante esse processo de autoanálise, não é difícil percebermos o quanto temos vivido com pressa. Muitos de nós corremos para chegarmos no horário no trabalho, damos um beijo de “bom dia” com pressa, temos pressa no trânsito, tomamos o café da manhã (para alguns isso é luxo) correndo, vivemos no esquema de trabalho das 9h às 18h e, muitas vezes, conseguimos entrar às 9h, mas raramente sair às 18h, o que parece fazer com que nosso dia simplesmente evapore.

Já li inúmeras histórias de pessoas que sofreram algum tipo de acidente que ocasionou em uma deficiência adquirida, que relatam o quanto levavam uma vida completamente afundada numa rotina massacrante e fizeram mudanças radicais após tal transformação. Mas será que precisamos passar por uma experiência tão profunda para termos maturidade de valorizarmos o equilíbrio em nossas vidas?

É fácil notar que a primeira pergunta que geralmente fazemos ao conhecer alguém, muito provavelmente, é o seu nome, já é uma das coisas mais importantes que identifica quem somos. Outra pergunta seguinte é o que a pessoa faz da vida. O curioso é que, quase automaticamente, nossa resposta é baseada na nossa formação acadêmica, onde trabalhamos e qual cargo nós ocupamos. Raramente encontramos alguém que responda sobre o trabalho voluntário que realiza nos finais de semana, diz que ama ler ou escrever, que corre, é fissurada (o) em fazer atividade física com seu companheiro (a), que ajuda os amigos a planejarem suas viagens, que é cinéfilo, cozinha muito ou algo parecido. Somos treinados e treinamos nossas crianças a associar “o que queremos ser” com alguma profissão e, quase nunca, com um estilo de vida.

Confesso que a constatação do quanto isso é pouco saudável tem me inquietado desde que completei meus 30 anos. É a ideia de que tudo que decidimos de nossas vidas deve estar em prol do nosso repertório profissional: o que vestir, quais lugares frequentar, quais vinhos beber, quais viagens realizar, etc. Essa construção em torno do trabalho e do status correspondente a ele é tão enraizada que em diversas situações sequer questionamos o porquê fazemos certas escolhas. Então, não conseguimos perceber que a nossa identidade não precisa ser construída baseada em nosso trabalho.

Não estou desmerecendo o poder transformador que um ambiente de trabalho tem para nosso autoconhecimento e desenvolvimento, nem sequer serei hipócrita ao menosprezar a importância do dinheiro que é fruto do nosso trabalho. A inquietação exposta aqui é a de não ser capaz de enriquecer sua “bagagem da vida” com experiências que não estejam associadas ao seu trabalho, a depositar energia em diferentes áreas da sua vida, de modo que você não dependa que, exclusivamente, uma área esteja bem. É sobre vincular-se à rotina sem estar condenado a ela.

Muitas pessoas acham o máximo eu conseguir ter uma “vida normal”, “trabalhar tanto” e ser “tão independente”. Mas, o “máximo” mesmo é conseguir fazer “tudo isso” sem permitir que (apenas) isso me defina. Aí está o meu desafiador compromisso comigo mesma. E o de vocês?

IMG_8373
Descrição da imagem para cego ver: Amanda está fazendo pose enquanto segura com uma das mãos em um carrinho de mão dourado

Publicado por por Amanda Brito

Administradora e Especialista em Gestão Empresarial e em Educação, atua há mais de dez anos conduzindo processos de Gestão Estratégica de Pessoas, Gestão de Carreira e Desenvolvimento Humano, além de já ter coordenado grupos de trabalho sobre Equidade em ambientes corporativos. Apaixonada por transformação de pessoas, possui formação em Coaching Executivo e Life Coaching, em curso credenciado pelo ICF, e em Practitioner em PNL. Também ministra palestras e tem experiência facilitando processos em Grupos. Baiana radicada no Rio, e viajante nas horas vagas, seus pés não sabem andar nem ficar quietos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: