O planejamento de um casamento acessível: coragem para quebrar paradigmas

Se a possibilidade de escolher não casar foi uma das principais conquistas das mulheres contemporâneas, posso afirmar, sem hesitar, que casar também foi uma quebra de paradigmas para uma mulher com deficiência , como eu. Uma quebra que envolve não apenas a minha coragem, mas a escolha decidida do meu noivo de não retroceder diante da resistência e estranheza de muitas pessoas sobre o nosso relacionamento.

Já tive algumas oportunidades de dizer que casar na igreja, usando branco e com toda a pompa de um casamento tradicional nunca esteve em minha bucket list. Porém, dois fatores foram decisivos para me fazer mudar de opinião. O primeiro, e mais importante, é que a celebração passa a ser secundária quando você encontra alguém que realmente contribui para você se tornar a melhor versão de si mesma.

O segundo ponto foi que planejar um casamento acessível é um grande desafio. Muito além das barreiras físicas, essa decisão envolve uma profunda quebra de paradigmas. É um desafio que perpassa por fornecedores que não estão preparados para atenderem noivas com deficiência, pela dificuldade em desenhar um vestido que seja ideal para você, por perceber que a procura de vídeos de uma valsa com um par cadeirante ainda vai resultar em poucos exemplos disponíveis para se inspirar.

Ao longo desse um ano planejando o nosso casamento, tive contato com diversas mulheres que se sentiram inspiradas pela possibilidade de estabelecerem relacionamentos amorosos saudáveis e engrandecedores. Isso também é representatividade porque nossos amores se desenrolam diante de um pano de fundo cultural que cria uma noção poderosa do que é “normal” no amor; ele sutilmente nos guia para quais corpos devem ser objetos da nossa atração, por quais padrões devemos nos interessar, onde devemos dar nossas ênfases emocionais, ensina o que valorizar, como abordar conflitos, com que nos empolgarmos, quando tolerar e o que legitimamente pode nos irritar. O amor tem uma história e navegamos – às vezes um tanto impotentemente – em suas correntes.

Por isso, romper com os grilhões de uma sociedade excludente, que ainda confisca o direito de uma mulher com deficiência de amar e ser amada, é uma realização que mostra que podemos ser exatamente tudo aquilo que queremos ser!

Publicado por por Amanda Brito

Administradora e Especialista em Gestão Empresarial e em Educação, atua há mais de dez anos conduzindo processos de Gestão Estratégica de Pessoas, Gestão de Carreira e Desenvolvimento Humano, além de já ter coordenado grupos de trabalho sobre Equidade em ambientes corporativos. Apaixonada por transformação de pessoas, possui formação em Coaching Executivo e Life Coaching, em curso credenciado pelo ICF, e em Practitioner em PNL. Também ministra palestras e tem experiência facilitando processos em Grupos. Baiana radicada no Rio, e viajante nas horas vagas, seus pés não sabem andar nem ficar quietos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: