Como o RH pode ser estratégico na inclusão de profissionais com deficiência?

Saiba como o RH pode migrar de uma atuação operacional para estratégica no processo de inclusão de profissionais com deficiência!

Como tornar o RH mais estratégico no seu papel de promover a inclusão ainda é uma questão frequente na realidade de muitas empresas. E uma das principais consequências da ausência de ações estruturadas e coordenadas é não conseguir explorar os benefícios da inclusão para atingir os resultados do negócio. 

O primeiro ponto a considerar dentro deste contexto envolve a necessidade de substituir o paradigma de apenas atender a questões legais para encarar a inclusão como fator estratégico para a inovação. Essa transformação só acontece com a sensibilização e trabalho contínuo. Ações pontuais não promovem a inclusão. E somente um time de RH capacitado será capaz de realizar um mapeamento da situação atual da empresa, que também pode contemplar a aplicação de um censo da diversidade, desenhar um programa de inclusão com metas sustentáveis, alinhado com a estratégia e os objetivos organizacionais e colocá-lo em prática.

A importância de analisar a acessibilidade

A partir de um time preparado para realizar um estudo de análise de acessibilidade, tanto física quanto tecnológica, em parceria com áreas como segurança e TI, será possível garantir as condições necessárias para os profissionais com deficiência. 

Uma consultoria especializada também pode apoiar a organização nesse processo, otimizando o processo e reduzindo as chances de retrabalho.

Além disso, é fundamental revisitar os processos de RH e analisar o que faz sentido e o que precisa ser reestruturado, dentre os quais, destacamos:

Recrutamento e seleção

É um processo que recebe muita atenção das empresas, sobretudo pela necessidade de cumprimento da cota legal. Porém, não podemos esquecer que essa é a porta de entrada dos colaboradores na empresa e é necessário garantir que os processos seletivos sejam realmente inclusivos.

Os recrutadores precisam estar preparados para avaliar candidatos com deficiência, levando em consideração suas competências e a necessidade de contratar a pessoa certa para o local certo, para além da deficiência. 

Assegurar que o candidato não sofrerá qualquer tipo de preconceito nem encontrará qualquer barreira ao longo do processo seletivo parece o mínimo, mas também são pontos de atenção.

Treinamento e Desenvolvimento

A capacitação destes profissionais deve seguir o mesmo processo que os demais, garantindo condições equitativas para a ampliação do seu repertório, desenvolvimento de atividades, atingimento das metas estabelecidas e crescimento na carreira. 

Somado a isso, é imprescindível a realização de ações de aprendizagem com foco no desenvolvimento de uma liderança inclusiva, promovendo uma performance melhorada dos gestores e empoderando-os como agentes da construção de uma cultura inclusiva e de ambientes de confiança para a promoção da diversidade e inclusão. Consultorias especializadas também podem auxiliar no envolvimento dos gestores e na construção e execução destas ações de aprendizagem.

Avaliação de Desempenho 

O papel estratégico do RH não acaba por aí. É preciso estruturar um processo de avaliação de desempenho justo e que garanta que as metas sejam claras e compatíveis com suas competências e com as características da deficiência. Sem subestimar sua capacidade nem extrapolar o que é considerado uma performance adequada ao profissional.

Com o desenho de um programa de inclusão que considere as etapas citadas acima, a empresa já terá avançado e estará no caminho certo para aproveitar os benefícios que a cultura da diversidade pode produzir.

Se a empresa não possuir alguma das competências instaladas para vencer os desafios que surgirão durante essa jornada, o Instituto AB está preparado para capacitar os profissionais de RH, gestores e/ou oferecer uma consultoria para apoiar o desenho e execução do seu programa de inclusão. Com o desenho de um programa de inclusão que considere as etapas citadas acima, a empresa já terá avançado e estará no caminho certo para aproveitar os benefícios que a cultura da diversidade pode produzir.

Saiba como avaliar a necessidade de implantação de um programa de inclusão

Sua empresa ainda não decidiu se deve implantar um programa de inclusão de profissionais com deficiência? Então, confere essas dicas!

É muito comum encontrarmos empresas que focam somente no Recrutamento e Seleção de profissionais com deficiência e acabam avançando muito pouco no processo de inclusão, investindo recursos para “apagar incêndios” com os mesmos problemas, de forma indefinida. 

Isso porque a legislação que orienta a contratação de pessoas com deficiência ainda é vista como onerosa, visão que ignora os benefícios que a inclusão traz. Neste contexto, há uma resistência natural para a construção de um programa de inclusão de profissionais com deficiência, visto que, muitas vezes, ele é encarado apenas como mais um custo que deve ser eliminado.

Esse padrão é alimentado pela ideia de que as empresas precisam fazer o mínimo necessário para não se pagar multa pelo descumprimento da Lei de Cotas. Porém, este é um grande equívoco não só sob o ponto de vista social, mas, principalmente, pelo de resultados do negócio.

Então, por que investir em um programa de inclusão?

Quando a empresa consegue ampliar o olhar para além do cumprimento de uma exigência legal, ela encontra uma grande oportunidade de abandonar a ideia de que apenas um determinado perfil atende a uma demanda para, assim, ampliar os horizontes da equipe. Times diversos criam ambientes de trabalho acolhedores, com menos julgamentos, maior empatia, escuta, flexibilidade e compreensão, desconstruindo preconceitos e com mais abertura para que todos manifestem seus pontos de vista. 

Assim, a inclusão passa a ser uma estratégia que potencializa qualquer negócio, cultivando a criatividade e a inovação.

Para explorar essas oportunidades é preciso ter um bom programa de inclusão bem estruturado.

Indo além da acessibilidade arquitetônica

É importante salientar que qualquer programa de inclusão deve garantir a estrutura necessária para receber os profissionais com deficiência, mas que a acessibilidade não diz respeito apenas à estrutura física. Por isso, o programa de inclusão precisa contemplar o mapeamento do cenário atual, considerando os sete tipos de acessibilidade, e o planejamento para adequação da empresa, que pode ser implementado de forma gradual, mas organizada e coordenada.

Uma consultoria especializada pode apoiar esta etapa, o que irá otimizar recursos e evitar retrabalhos. 

Mas, isso tudo apenas para atender um “pequeno” grupo de colaboradores? Engana-se quem pensa que a rampa será da “funcionária Maria” ou o banheiro será do “funcionário José”. A eliminação das barreiras arquitetônicas também irá atender outros stakeholders, gerando um impacto positivo no relacionamento da empresa com eles e comunicando seu compromisso com a diversidade e inclusão.

Desenhar um processo seletivo inclusivo

Se a sua empresa está patinando no processo de recrutamento e seleção de profissionais com deficiência, um programa de inclusão bem estruturado irá possibilitar a reestruturação do processo seletivo, prevendo a capacitação de gestores, do time responsável pela seleção dos candidatos com deficiência e a melhoria contínua do processo seletivo, contribuindo para o match entre os melhores candidatos e as vagas ofertadas.

Uma consultoria especializada também pode apoiar a empresa nessa jornada, contribuindo para o employer branding.

A inclusão como fator estratégico para a inovação

Assim, o programa de inclusão terá como importante missão a conscientização da inclusão como fator estratégico para a inovação, visto que ela proporciona o enriquecimento do repertório e do capital intelectual da companhia e dos colaboradores, maior facilidade para resolver problemas complexos, partindo de uma avaliação plural, além da construção de uma reputação positiva para o negócio.

Por isso, o programa também deve prever a realização de ações de aprendizagem que irão impulsionar a melhoria da performance. Destacamos essa etapa como fundamental para ser realizada em apoio de uma consultoria especializada, visto que envolve a introdução de temáticas e o desenvolvimento de competências que, muitas vezes, ainda não estão instaladas na organização. 

Agora que você já sabe a necessidade de implantação de um programa de inclusão, sugerimos a busca de parceiros estratégicos que possam apoiar essa jornada. E nós, do Instituto AB, estamos disponíveis para uma atuação especializada em todo programa de inclusão! 

O futuro incerto do pós-pandemia

Três meses de pandemia. Além do cuidado com a saúde, naturalmente há preocupação com o futuro. Ainda não sabemos quais serão os impactos na economia em médio prazo.

​Um dos resultados previstos é que muitos profissionais capacitados entrarão em transição de carreira, por sua própria escolha ou não. É claro que agora a principal preocupação de todos deve ser cuidar da saúde. Mas, ainda que essa não seja sua prioridade, deixar para pensar no que será da sua carreira quando a quarentena acabar pode trazer consequências evitáveis. 

​Então, o que podemos fazer durante essa quarentena para mitigar os riscos do pós-pandemia? Afinal, assim como todas as outras, essa crise também vai passar. E aqueles que se prepararem para enfrentá-la estarão à frente dos demais. Não estamos defendendo uma busca desenfreada por produtividade, mas, respeitando o seu ritmo e acolhendo seus sentimentos, utilizar ferramentas de capacitação profissional para evitar preocupações futuras e com um plano de ação para agir de forma coordenada. 

​E para atravessar por este momento complicado, de dúvidas e incertezas no mercado de trabalho, o investimento em ações de aprendizagem que auxiliem a construção de objetivos bem estruturados e um plano de carreira sólido e coerente com suas competências farão toda diferença. 

A pergunta é: o quanto você tem investido em seu autodesenvolvimento durante esse período?

Especial Mães Catuenses: uma semana para enaltecer histórias inspiradoras

Uma visita rápida aos buscadores da internet e encontramos uma vasta quantidade de depoimentos sobre os desafios da maternidade real. Celebrar o Dia das Mães durante uma pandemia põe luz sobre a complexidade da maternidade em um mundo volátil, incerto, complexo e cheio de mudanças.

Continue lendo → Especial Mães Catuenses: uma semana para enaltecer histórias inspiradoras

Liderança em tempos de crise

Pense em alguém que você conhece que está atuando com liderança durante essa pandemia. Agora, avalie o porquê você a escolheu. Não sei em quem você pensou nem o motivo pelo qual você elegeu esta pessoa, mas é inegável que em situações extremas surgem possibilidades extraordinárias para quem lidera transformações. 

Mas de qual tipo de liderança estamos falando? Continue lendo → Liderança em tempos de crise

A profunda mudança que estamos atravessando

O ano de 2020 nos trouxe o maior desafio da nossa geração. Em poucas semanas, as ruas ficaram vazias e o mundo se rendeu ao invisível. Muitos de nós têm refletido sobre o que estamos vivendo nestes últimos meses com a pandemia do covid19.. Qual a causa disso tudo que vem acontecendo? Quais soluções nós deveríamos estar buscando? Ações que mantém o status quo são o suficiente ou vamos ter que encarar de frente uma verdadeira revolução?

Continue lendo → A profunda mudança que estamos atravessando

Bloco Inclua-se em Madre de Deus

O tradicional festejo de carnaval de rua do município de Madre de Deus passou a contar com uma atração muito especial, o bloquinho “Inclua-se”. Inclusão durante o carnaval, essa foi à proposta de um grupo de amigos de Madre de Deus, cidade localizada a cerca de 60 km de Salvador. Antecipando os festejos, nesta terça (18), o bloquinho “Inclua-se” esteve na rua com um projeto que busca inserir crianças especiais no contexto social e cultural da comunidade abriu o carnaval da ilha com muita serpentina, confete e música. A fantasia e a diversão tomaram conta da rua, estando disponíveis pinturas, pula-pula, piscina de bolinhas, sorteios e concursos, fazendo a alegria da criançada, que puderam interagir de forma lúdica, provando que para ser folião não tem idade e portar alguma deficiência não a impede de se divertir.
Em sua primeira participação, o “Inclua-se” levou cerca de 90 crianças, acompanhadas de jovens e adultos, a celebrar de uma forma mais plural a maior festa de rua do país. Contando com o apoio do poder público, as normas de segurança também foram aplicadas na ação, estando de prontidão os paramédicos do SAMU e do Trânsito, da SUCOM. O evento ainda contou com a participação de membros do Conselho Tutelar e diretores de escolas. Continue lendo → Bloco Inclua-se em Madre de Deus