Página 6 de 7

Saber ressignificar: a oportunidade de ser líder de si mesmo

O hábito de dar um novo significado às nossas experiências e aos acontecimentos que nos ocorrem, quando é fruto de um processo de descobrimento de quais são as nossas crenças limitantes, não deve ser confundido com fuga da realidade ou visão imatura sobre a vida.

Ao colocarmos a nossa habilidade de ressignificar em função da nossa transformação pessoal, não estamos sofrendo com a “síndrome da Pollyana”, construindo um mundo onde todas as pessoas são boas e jogando o “jogo do contente”, que procura tirar o melhor de cada situação.

Em uma das alegorias mais importantes da história da Filosofia, Platão, em o Mito da Caverna, traz a reflexão sobre a visão distorcida que os seres humanos têm da realidade. Não vemos a realidade, mas nossa projeção da realidade. Continue lendo → Saber ressignificar: a oportunidade de ser líder de si mesmo

A Programação Neurolinguística (PNL) e o poder das crenças

Outro dia eu estava na rua e uma moça chegou perto de mim e me deu moedas. Sim, isso mesmo. Moedas! Segundo ela, moedas para eu “comer alguma coisa”. Talvez no mapa dela, qualquer jovem cadeirante e sozinha na rua deveria ser, necessariamente, uma necessitada. Após eu devolver o pequeno “mimo” que ela havia me oferecido, ela se sentiu ofendida com a falta de consideração da minha parte. Ela estava tão presa às suas próprias crenças que sequer conseguiu perceber as outras características em mim: usando um cordão de ouro, óculos de sol, bem vestida e segurando um telefone celular que estava sendo carregado por uma bateria externa.

Não podemos iniciar esse debate antes de refletirmos como as nossas ações têm reforçado os caminhos neurais que criamos e que geram os nossos resultados. Conhecemos as nossas crenças ou acreditamos que elas apenas dizem respeito a uma fé religiosa? Continue lendo → A Programação Neurolinguística (PNL) e o poder das crenças

A escolha da máquina de lavar para uma casa acessível

Antes de ir morar sozinha, nem em meus sonhos mais distantes eu poderia imaginar a importância de uma máquina de lavar para uma casa. Ponto para quem aposta que a melhor forma de descobrir as coisas é vivendo. Roupas delicadas, roupas de cama, mesa e banho, roupas claras, escuras e coloridas, roupas que soltam tinta e eu confesso que levei um tempo (e perdi algumas peças) até me familiarizar com todos esses detalhes que eram completamente alheios ao meu mundo. O aprendizado foi tão intenso que, sem dúvidas, ele merece um compartilhamento de dicas sobre como escolher uma máquina de lavar para uma casa completamente acessível. Continue lendo → A escolha da máquina de lavar para uma casa acessível

O que eu aprendi com uma filha com deficiência?

(Este texto foi uma colaboração da mãe de Amanda, Cristina)

No começo enfrentamos muitos medos e inseguranças, mas, partindo do pressuposto que cada indivíduo tem suas características e que é impossível encontrar pessoas totalmente iguais, comecei a me ver como mãe de três filhos diferentes, assim como todas as criaturas o são (cada um de nós tem uma digital que é única). Dessa maneira encarei a incrível tarefa que me foi confiada pelo Universo, acreditando que nada acontece por acaso. Não podemos deixar de considerar que a família tem influência determinante no comportamento humano e na formação da personalidade. E o que é ter um “filho com deficiência”? Continue lendo → O que eu aprendi com uma filha com deficiência?

Quem você pensa que é?

Último post do ano! O primeiro final de ano do Destinos Acessíveis e em apenas dois meses eu, que recebi várias mensagens e e-mails durante esse período, certamente aprendi muito mais do que acreditei poder ter ensinado.
“Quem você pensa que é?” é uma pergunta que pode soar como arrogante na maioria dos contextos aos quais ela é aplicada, entretanto, ela foi uma das bases para muitos dos nossos posts neste ano, visto que “Conhecer o que está dentro para transformar o que está fora” extrapola a ocupação de espaços físicos e envolve, sobretudo, o processo de autoconhecimento de cada um. Continue lendo → Quem você pensa que é?

Vincular-se à rotina sem estar condenado a ela

Difícil acreditar que já estamos na semana do Natal (há quem não goste, só deixem em paz o pisca-pisca). E esse clima de final de ano é bem propício para fazermos aquela reflexão sobre os nossos resultados, para colocarmos na balança os pontos positivos e negativos do estilo de vida que estamos adotando, para revisarmos a lista de metas que estabelecemos para alcançarmos ao longo do ano. E, durante esse processo de autoanálise, não é difícil percebermos o quanto temos vivido com pressa. Muitos de nós corremos para chegarmos no horário no trabalho, damos um beijo de “bom dia” com pressa, temos pressa no trânsito, tomamos o café da manhã (para alguns isso é luxo) correndo, vivemos no esquema de trabalho das 9h às 18h e, muitas vezes, conseguimos entrar às 9h, mas raramente sair às 18h, o que parece fazer com que nosso dia simplesmente evapore. Continue lendo → Vincular-se à rotina sem estar condenado a ela

Quatro rodas, duas mãos e uma cozinha acessível

Por conhecimento de causa eu posso afirmar que há uma grande chance de que crianças criadas na casa da avó sejam cercadas de mimos e com todas as vontades feitas. Se for uma criança com deficiência e/ou mobilidade reduzida, o desejo de proteção pode ser potencializado, de forma que o seu entorno esteja repleto de facilidades para “compensar” as possíveis barreiras e desafios que ela encontrará.
À medida que elas se desenvolvem, a criação de um ambiente de atenção e amor para crianças com necessidades especiais é fundamental para o fortalecimento da sua confiança. O grande desafio é equilibrar o ambiente de proteção com um espaço propício ao autodesenvolvimento e à atribuição de responsabilidades de acordo com suas restrições. Continue lendo → Quatro rodas, duas mãos e uma cozinha acessível

Ode ao amor: uma noiva cadeirante e nada convencional

 O post sobre nosso noivado foi o mais lido do blog, engrossando o coro de estatísticas contra aqueles que acreditam que falar de amor é piegas. Talvez não seja claro para muitas pessoas, mas a qualidade dos nossos relacionamentos determina a qualidade de nossas vidas. Por exemplo: diga como você foi amado quando criança que, quase certamente, eu lhe direi como você ama quando adulto. Este é um dos primeiros lugares onde nós aprendemos a (e como) amar.

citei em outras oportunidades o quanto eu sou escandalosamente apaixonada pelo mar e para usufruir dessa riqueza única e me banhar nessa imensidão, eu sempre precisei estar amparada por alguém. Nesse último final de semana, pela primeira vez eu fiz esse ritual acompanhada do meu noivo. Para alguns, pode ser um simples banho de mar. Para nós, foi um ponto máximo de comunhão, o pico da felicidade serena, aquela que só pode nascer de relacionamentos robustos que permitem incorporar todas as partes de você mesma.  Continue lendo → Ode ao amor: uma noiva cadeirante e nada convencional

Autoconhecimento: uma viagem sem destino final

“Aquele que não enxerga, não sabe o que não vê; se ele soubesse o que não vê, de alguma forma já estaria vendo. Já aquele que vê, pensa que tudo que vê é o que é, mas se ele soubesse que nem tudo que ele vê é o que é, de alguma forma já estaria vendo” é um dos trechos mais reflexivos do monólogo “A alma imoral”, obra de Nilton Bonder.

E sobre nós? O que mais conseguimos ver além do que nos mostra o reflexo do espelho? Quem eu seria se apenas soubesse que sou a aparência que causa surpresa em olhares que me veem pela primeira vez? Continue lendo → Autoconhecimento: uma viagem sem destino final